domingo, 17 de julho de 2011

Paciência




Pessoas ocupadas criam vidas ocupadas. E vidas ocupadas dão uma sensação de pressa contínua na qual esperar por qualquer coisa nunca parece ser uma opção. Mas depois de um tempo, a natureza cansativa de nossas ocupações nos faz parar e refletir. Nos faz ouvir o chamado interior para um ritmo mais lento. Nos faz sentir a necessidade de uma pausa, de colocar um freio na corrida. Alguma vez você  já decidiu conscientemente não apressar algo por saber que no fundo tudo vai acontecer da maneira certa no momento certo? Os mais velhos e mais maduros tendem a fazê-lo. Alguma vez você já decidiu não correr para algum lugar ao perceber que você não pode chegar lá mais rápido do que o seu modo de transporte, e que você não pode controlar o que surge no caminho? Motoristas de ônibus aprendem a fazê-lo. Mesmo numa corrida de Fórmula 1, os pilotos têm de fazê-lo.” Mike George, Clear Thinking, Are you pacient or just the pacient, 22/05/11


domingo, 10 de julho de 2011

Mensagem




O homem toma os limites do seu campo de visão como limites do mundo.

               Filósofo alemão Arthur Schopenhauer (1788-1860).



domingo, 3 de julho de 2011

Biofilia






Biofilia é a afetividade emocional inata dos seres humanos para com as demais espécies da Terra. Estas emoções, ativadas quando entramos em contato com outras espécies ou ambientes naturais; varia da atração à aversão, admiração à indiferença, paz à ansiedade, entre muitas outras. São reações geneticamente inerentes a todas as espécies, embora nos seres humanos, por razões óbvias, são pouco manifestadas na vida cotidiana. 
Quando, seres humanos se retiram do ambiente natural, os aprendizados da biofilia não são substituídos por versões modernas igualmente bem adaptadas aos fatores tecnológicos da vida contemporânea. Ao invés disto, estes persistem, de geração a geração, atrofiados e esporadicamente manifestados nos novos ambientes artificiais. Não é acidente de cultura que mais crianças visitam zoológicos do que todos os principais jogos esportivos juntos (ao menos nos EUA e Canadá), que os ricos continuam a procurar propriedades frente a lagos e remanescentes naturais e que medos ou até fobias a aranhas, cobras, espaços pequenos e alturas (todos os elementos encontrados no ambiente natural), são muito mais freqüentes do que de artefatos modernos, incluindo os mais perigosos, como armas, facas, automóveis e fios elétricos.