Pesquisa QC

Pesquisa personalizada

domingo, 21 de novembro de 2010

Seres Dimensionais



Estou envolto a sensações extra-sensoriais captando mensagens intuitivas sobre o fato de que não somos seres apenas como imaginamos vivendo unicamente atividades cotidianas, e os problemas e prazeres terrenos. Somos, verdadeiramente, seres dimensionais, coexistimos em realidades paralelas, em múltiplas dimensões e concomitantemente. É chegado o tempo de expandirmos as nossas consciências e desapegarmos da realidade tridimensional  como se ela fosse a única. É momento histórico de rompermos  com teses espirituais obsoletas, que foram edificadas sobre a égide do medo e da premiação futura. O medo somente aprisiona, escraviza e acaba não permitindo o crescimento do espírito, que se dá, integralmente, quando vivemos a plena liberdade, sem medo. Também não existe o futuro, não há como se falar em paraíso após a morte (prêmio futuro), já que, ao desencarnarmos, continuaremos a viver em outras dimensões, tal como já o fazemos agora, na dimensão terrena e em outras. Naquele momento, tal como acontece agora, estaremos “experienciando” a felicidade de acordo com o grau espiritual alcançado e buscando, de forma contínua, o progresso do espírito. Há que se dizer, também, que  não há o futuro idealizado pelas doutrinas religiosas, vivemos somente o agora, nesta e em outras dimensões e, por isso, é preciso ver amplamente, com olhos do espírito. É fundamental viver o amor incondicional aqui e nas demais dimensões e se deliciar pelos paraísos conquistados por nós, aqui e lá, fruto do amor integral por nós mesmos e por todos os seres e por tudo que existe. O paraíso é a felicidade íntima que o ser dimensional sente internamente em todos os lugares, em todas as dimensões em que se vive de forma paralela. É tempo de ver a cortina da ilusão se desfazer definitivamente e poder, enfim, vermo-nos como efetivamente somos, despertando-nos para a consciência de que somos seres dimensionais vivendo em mundos paralelos, neste instante e sempre.

Poesia de Moacir Sader  – (outubro/2009)

Nenhum comentário: